22/03/2011

Presente

 Depois de morrer, fui mais feliz. Passei a receber presentes todo domingo. Além de datas especiais como meu aniversário, natal, páscoa e outros... Por mais que ninguém estivesse feliz com minha partida, eu estava. Afinal eu nunca tinha percebido que tanta gente gostava de mim... Só em meu enterro. Nunca me senti tão importante! Sempre que levavam flores para meu túmulo eu pegava um copo com água para hidratá-las. Elas acabavam morrendo e eram substituídas por outras; não eram como eu. Único. Ninguém sentia a falta de uma flor. Percebi então algo estranho. Enquanto eu vivia nunca me compreenderam como compreendem as flores. Quando morri todos me amaram e esqueceram das flores mortas. Talvez eu nunca entenda o que realmente os humanos valorizam.

xDan

2 comentários:

André Walker disse...

fato...
agente valoriza mais o que sefoidoqueo que "é"o que "está"...

Karen Breazu disse...

Dani,voce tem toda razao !!
è como se tudo fosse remando contra a maré.