14/05/2011

O falso progresso

 Parece-me que a visão de progresso que acabamos julgando ter em relação a nossos antepassados não tem fundamento. Afinal, o progresso é medido de que forma? Hoje consumimos cada vez mais, substituímos o bom pelo melhor, exploramos ao máximo o que a natureza já quase não tem. E a troco de quê? Do progresso? Não progredimos, muito pelo contrário! Cada vez mais nos afundamos. Os povos 'primitivo's tinham maior afeição por tudo que lhes era dado e simplesmente idolatravam os fenômenos naturais. Nós, além de os abominarmos, os provocamos com nossa insaciável estupidez. Avançamos na tecnologia e esquecemos de avançar noi fator mais importante da vida. Nos achamos melhores que os deuses enquanto deviamos adorá-los por nos fornecer tudo o que precisamos. Nos contentamos com o que fazemos ao invés de questionarmos por que fazemos. Somos peças de construção, não mais construtores. Há muito perdemos esse cargo ocupado hoje por quem nos representa livremente. Os mistérios que deveríamos enxergar são ignorados, deixados de lado já que temos coisas 'mais importantes' para fazer. Cremos no progresso que não existe. Cremos naquilo que, na verdade, está circulando em torno do próprio destino deplorável que nos aguarda. Cavamos o fundo do poço, mesmo já estando no fundo, insatisfeitos. Estamos então insatisfeitos com coisas desnecessárias, enquanto a verdadeira insatisfação devia estar presente em assuntos bem mais humanos. O falso progresso que vivemos é revoltante. Os antigos estavam bem mais próximos do progresso. Este morreu com eles.

xDan

2 comentários:

André Walker disse...

sempre estiveram...

Lianah disse...

Tudo fruto do capitalismo, a torpe semente que há muito brotou na humanidade e que nos faz regredir e cair num abismo sem fim.

Ótima crítica, Dan!