15/08/2011

Pisar sem ser pisado

Não tem espaço aqui. Queria dar passos mais largos. Todos dizem que devo ser grato pelo quadrado, mas acho que sou ingrato. A visão daqui não é boa; na verdade ou alguém levanta na sua frente bem quando você se interessa pela cena, ou então constroem um muro mesmo. O ar é escasso. O pouco que ainda tem é manchado pela fumaça consciente, a fumaça que tiram do bolso. Sou ingrato, pois às vezes odeio os portadores de fumaça. Eu não devia odiar ninguém. Quem odeia é odiado. Talvez não odiado, só não é amado. Não sei qual prefiro. Estico minha perna, tento sentir o chão com prazer. Mas o que sinto é um calo, um calo causado pelos caminhos tortos que escolhi. Será que escolhi? Bom, se eu pudesse escolher agora estaria longe. Mais uma vez sou ingrato. Tenho dois mundos e quero um terceiro. Apesar de meu primeiro mundo ser largo e espaçoso eu não posso pisar nele. Já no segundo posso pisar, mas não caibo direito. No terceiro acho que eu podia ter os dois. Se bem que tem gente que não tem nem o primeiro... É, sou ingrato.

xDan

2 comentários:

Lívia Almeida disse...

As vezes somos assim mesmo, incomodados com o rumo que nossa vida passa a tomar, ou a nao tomar... Sim, podemos ser ingratos por nao enxergar todas as razoes para nossa situacao... Mas, isso nos faz sedentos pela vida, sedentos para vive-la de todas as formas, ainda que seja fora do quadrado que todos pensam ser o lugar certo.

xD

(Obrigada pelos comentarios em meus blogs)

Manuella Monte Santo disse...

Nem sempre damos devido valor ao que temos, mas faz parte do aprendizado.

Uma abraço